Mineral Salivar

 

Sobre o Mineral Salivar

 

A saliva humana fornece uma maneira não invasiva única para a quantificação de minerais circulantes no organismo. Em geral, a composição da saliva reflete a dos fluidos extracelulares, mas o transporte ativo e os mecanismos secretórios fazem com que ela tenha composição iônica única. Dessa forma, ela representa uma matriz biológica de composição bioquímica única, permitindo usos diversos em diagnóstico clínico.

O perfil mineral salivar constitui uma importante ferramenta para avaliação nutricional, bem como da exposição ambiental a metais potencialmente tóxicos. Trata-se de um teste analítico não invasivo que utiliza uma pequena amostra de saliva para se determinar o perfil dos minerais essenciais (ex. cálcio, potássio, zinco, selênio e ferro) e de exposição aos elementos tóxicos (ex. mercúrio, arsênio, chumbo, alumínio). Em conjunção com outros parâmetros clínicos e laboratoriais, pode auxiliar no diagnóstico precoce de distúrbios fisiológicos associados com alterações no metabolismo de elementos minerais.

Aplica-se a: indivíduos sadios que procuram definir seu equilíbrio mineral como um fator determinante da saúde; indivíduos em situação limítrofe de saúde (quadros subclínicos), processos infecciosos constantes, sintomas inespecíficos que não se relacionam a doenças que possam ser diagnosticadas atualmente (muitas vezes definidas como estresse); e Indivíduos doentes cujas patologias precisam de tratamentos estabelecidos, mas que possam vir a ser potencializados através da suplementação nutricional ou da quelação de elementos tóxicos.

Elementos quantificados:
- Tóxicos:
alumínio, antimônio, arsênio, bário, berílio, bismuto, cádmio, chumbo, estanho, mercúrio, níquel, prata, tálio, telúrio, titânio, tungstênio, urânio.
- Essenciais: boro, cálcio, cobalto, cobre, cromo, enxofre, estrôncio, ferro, fósforo, germânio, lítio, magnésio, manganês, molibdênio, potássio, rubídio, selênio, sódio, vanádio, zinco, zircônio.

 

Sobre Mineral Água

 

Dentre os vários fatores que podem influenciar na quantidade de metais existentes em nosso organismo, a água que bebemos diariamente ocupa posição de destaque. Isto é especialmente importante durante tratamentos de desintoxicação/ quelação. Portanto, é importante saber sobre o teor de metais na água que o paciente toma.

Os níveis excessivos de arsênio, chumbo ou mercúrio na água podem causar doenças de pele e até mesmo cânceres, enquanto os jovens podem ter problemas de desenvolvimento graves devido a uma exposição excessiva a esses e outros metais tóxicos.

A qualidade da água potável varia de lugar para lugar, dependendo da condição da água da fonte e do tratamento que a mesma recebe.

O Brasil, os Estados Unidos e os países europeus impõem normas rígidas que regulam a segurança do abastecimento de água potável, enquanto a Organização Mundial de Saúde (OMS) propõe regulamentos semelhantes para outras nações. No “Mineralograma da Água Potável”, o paciente/prescritor tem acesso a um certificado de análise no qual consta não somente o valor nominal de cada metal em sua água, mas também a comparação com os valores de referência de todas essas normas.

 

Como Coletar

 

Mineral Salivar:

- Coletar a amostra em jejum, ao acordar;
- A coleta não é recomendável em casos de lesões orais com sangramento ativo ou potencial;
- Não usar batom na hora da coleta;
- Introduzir a saliva diretamente no tubo (colher tubo cheio);
- A suspensão de medicamentos ou suplementos antes da coleta deverá ser a critério médico;
- O tubo deverá ser encaminhado ao laboratório sem refrigeração preferencialmente no mesmo dia da coleta ou no máximo no dia seguinte. Em casos onde o transporte não será efetuado no mesmo dia, aconselha-se refrigeração da amostra entre 2 a 8 ºC (porta da geladeira) até o dia da postagem.