Intolerância Alimentar

Sobre o Exame

Alimentação adequada Saúde para toda vida.

“O que é alimento para alguns poderá ser veneno para outros”
Lucretius

O sistema imunológico do intestino é o maior e o mais importante de todo o organismo.

Mais de 80% das reações imunológicas tem sua origem no intestino que garante uma barreira quase intransponível contra bactérias, vírus, e outros agentes patogênicos assim como contra proteínas de alimentos ou frações de proteínas reconhecidas como substâncias estranhas.

No entanto, a integridade desta parede intestinal poder estar, muitas vezes danificada por medicamentos, infecções, microrganismos, estresses e toxinas ambientais, permitindo assim entrada de partes de nutrientes ou proteínas não totalmente fragmentadas entre as células.

Estas substâncias e/ou fragmentos de proteínas são reconhecidos pelo sistema imunológico como elementos estranhos e agressores e são combatidos pelo sistema imunológico que produz anticorpos contra esse alérgeno.

Ao ingerir este alimento regularmente ocorrem reações imunológicas repetitivas que estimulam processos inflamatórios.

A experiência demonstra que na maioria dos casos são os alimentos ingeridos diariamente que causam estas inflamações nomeadas de hipersensibilidade alimentar ou alergias tardias.

As alergias alimentares tardias são classificadas na literatura médica como alergia do tipo III e são mediadas pela imunoglobulina G, que produz um anticorpo chamado anticorpo IgG, e denominamos genericamente o teste como Intolerância Alimentar mediada por IgG.

As manifestações de hipersensibilidade alimentar ou intolerância alimentar são geralmente tardias e pode se iniciar muito depois do primeiro contato com o alimento.

Diferentemente das alergias clássicas, mediadas por IgE que causam reações imediatas, com sinais e sintomas bastante conhecidos e relativamente de fácil identificação, tais como reações cutâneas e inchaços, as “alergias” mediadas por IgG são caracterizadas por processos inflamatórios e poderão ser reveladas através de sinais e sintomas pela deposição de complexos imunológicos em vários tecidos ou órgãos.

 

DIFERENÇAS ENTRE ALERGIA CLÁSSICA E INTOLERÂNCIA

 

ALERGIA CLÁSSICAINTOLERÂNCIA
Medida por IgEMedida por IgG
Sintomas imediatosSintomas tardios
Testes cutâneos positivosTestes cutâneos negativos
Poucos alimentos relacionadosMuitos alimentos relacionados
Traços são suficientes para desencadear a alergiaDoce relacionada
Pele e MucosaAfeta todos os tecidos
Frequente em criançasCrianças e adultos
Diagnosticado sem testeMuito frequentemente, não reconhecida
Rejeição de alimento pelo pacienteAlimento mais apreciado pelo paciente
Permanente ou definitivaRemissão possível se o alimento é evitado
1 a 2% dos adultos e 2 a 8% das crianças50% da população

 

216 Alimentos

Alimentos Investigados:

 

Cereais contendo glúten: farinha de espelta, centeio, trigo, gliadina/glúten, cevada, aveia.

Cereais livres de glúten e alimentos alternativos: linho, painço, colza, arroz, milho, trigo sarraceno, alfarroba.

Carne: carne de coelho, carne de galinha d’angola, carne de frango, carne de cavalo, carne de codorna, carne de cordeiro, carne de peru, carne bovina, carne de pato, carne de ganso, carne de corça, carne de porco, carne de cabra, carne de avestruz.

Leite e Ovo: clara de ovo, queijo coalho, kefir, leite de vaca, caseína, iogurte, queijo camembert, queijo cottage, queijo processado, queijo emmental, gema de ovo, queijo de ovelha, mussarela de búfala, manteiga, queijo de cabra, leite de cabra, beta-lactoglobulina, leite de ovelha.

Frutas: figo, abacaxi, melão mel, kiwi, cereja, lima da pérsia, toranja, laranja, limão, mamão, melão cantalupo, tâmara, nectarina, lichia, abacate, uva-passa, pêra, melancia, maçã, mirtilo, framboesa, banana, groselha preta (cassis), amora, groselha vermelha, ameixa, romã, groselheira, uva, morango, damasco, manga, pêssego, cranberry, quadril de rosa.

Ervas e especiarias: alho, baunilha, açafrão, estragão, cominho, gengibre, manjericão, semente de papoula, manjerona, pimenta caiena, folha de curry, cebolinha, hortelã, tomilho, semente de mostarda, cravo-da-índia, semente de anis, endro, folha de louro, lúpulo, salsinha, sálvia, orégano, alecrim, canela, alcaparra, camomila, coentro, menta, pimenta (preta/branca), noz-moscada.

Nozes e sementes: semente de girassol, amêndoa, pinhão, noz, macadâmia, amendoim, avelã, castanha do pará, pistache, castanha de caju, gergelim, semente de cacau, noz-de-cola, coco, castanha portuguesa.

Vegetais: abobrinha, batata, repolho roxo, brócolis, pimentão, couve de bruxelas, couve-flor, aspargo, berinjela, aipo, repolho branco, couve-lombarda, erva doce, tomate, brotos de bambu, cenoura, espinafre, alho-poró, raiz-forte, beterraba, nabo, cebola, alcachofra, abóbora, chalota, acelga, batata doce, alcachofra-girassol/jerusalém, couve, pepino, ervilha torta, couve-china, azeitona, pimenta malagueta, folha da videira, rabanete, raiz de alcaçuz.

Legumes: ervilha, feijão branco, feijão roxo, fava, lentilha, soja, grão de bico, feijão de corda, feijão mungo.

Saladas: alface americana, chicória, rúcula, alface, canônigos valeriana (mini-alface).

Cogumelos: Mix de cogumelos 1 (ostra,champignon, shiitake, chanterelle), Mix de cogumelos 2 (boletus badius, boletus edulis).

Peixe e frutos do mar: bacalhau, lagosta, peixe-espada, lula, ostra, salmão, cavalinha, atum, anchova, badejo, peixe pregado, linguado, peixe lúcio, carpa, lagostim, dourada, enguia, molusco (ameijoa), caviar, truta, camarão, sardinha, peixe vermelho, polvo, arenque, hadoque, caranguejo.

Diversos: aloe-vera, fermento biológico, levedura de cerveja, mel, óleo de cártamo, ágar-ágar, café, chá preto, chá verde, fermento em pó.

Como Coletar

Utilize nosso kit para realizar a coleta do material.

No kit contém os seguintes itens:
Swab higienizador com álcool
Curativos
Microtubo heparinizado
Porta Microtubo
Lancetas descartáveis estéreis<
Seringa de 1 ml
Agulha


Coleta: Poderá ser realizada com utilização de lanceta ou seringa. Não é necessário jejum.

Leia atentamente as instruções. Caso tenha dúvidas ligue para (32)3257-3200. Não inicie a coleta sem estar seguro que entendeu as instruções.


Coleta com lanceta Lave as mãos com água morna. Este procedimento ajuda a amaciar a pele e contribui para um bom fluxo de sangue. Higienize o dedo a ser picado com o Swab de álcool fornecido. Deixe secar. Não assopre. Remova a tampa da lanceta. Massageie o dedo desde a base até a ponta para promover um bom fluxo de sangue.

1- Remova a tampa do microtubo.

2- Encaixe a tampa na parte inferior do microtubo.

3- Posicione e pressione a lanceta contra o dedo a ser picado até sentir uma leve picada indicativa que a pele foi perfurada. Massageie o dedo da base até a ponta para que se promova o escoamento do sangue através da formação de gotas. Posicione o microtubo junto a gota de sangue. Preencha o microtubo até a marca indicada do mesmo.


4- Remova a tampa da parte inferior do microtubo e tampe.

5- Com movimento de inversão misture levemente o sangue por 10 vezes.Não agite. Coloque o microtubo no tubo de transporte de amostra e este no envelope resposta.Coloque o envelope resposta no correio – SEDEX.


Coleta com seringa:Atenção: Em casos de coleta com seringa, solicite um profissional da área para realizar a coleta.

1- Remova a tampa do microtubo.

2- Encaixe a tampa na parte inferior do microtubo.

3- Colher o sangue até 0,5ml (meia seringa de 1ml). Retire a agulha e transfira cuidadosamente (devagar) o sangue para o microtubo. Preencha o microtubo até a marca indicada do mesmo.


4- Remova a tampa da parte inferior do microtubo e tampe.

5- Com movimento de inversão misture levemente o sangue por 10 vezes. Não agite. Coloque o microtubo no tubo de transporte de amostra e este no envelope resposta.Coloque o envelope resposta no correio – SEDEX.

 


Uso de medicação ao usar teste de Hipersensibildiade Alimentar Mediada por IgG 1,2,3 e 4.

Drogas anti-histamínicas O uso de drogas anti-histamínicas (por exemplo, Claritin, Zyrtec, Benadryl) não afetará o teste de anticorpos IgG, pois esses testes medem a resposta imune e não os níveis de histamina. Por conseguinte, estes testes podem ser realizados enquanto estiver a tomar medicação anti-histamínica.

Varfarina Se um cliente estiver em uso de varfarina, isso não deve afetar os resultados, mas como é um anticoagulante, pode afetar a coleta da amostra de sangue e, posteriormente, promover o sangramento. Se não tiver certeza, peça ao cliente para verificar com seu médico ou farmacêutico, tendo em mente que é apenas uma única amostra de sangue picada com um dedo, usando uma lanceta similar àquelas usadas por diabéticos para leituras de glicose no sangue.

Antibióticos Não há evidências de que os antibióticos afetem as células B ou T e, portanto, nenhuma evidência de que os níveis de anticorpos IgG sejam afetados.

Drogas imunossupressoras O teste de anticorpos IgG não é útil para pessoas em uso de drogas imunossupressoras (especialmente se elas estiverem em uso há mais de 1 mês – veja abaixo). Esses medicamentos podem afetar os resultados e, portanto, não podemos garantir precisão. Isso inclui todos os corticosteróides, como prednisolona, ​​budesonida e dexametasona; além de outros imunossupressores como Azatioprina e Ciclosporina. (Até onde sabemos, os resultados não são afetados por inaladores para asma). Recomenda-se que a amostra de sangue para um teste de anticorpos IgG não seja administrado até que o paciente esteja sem drogas imunossupressoras por 4-6 semanas *. Por outro lado, o teste pode ser feito se o cliente apenas tiver iniciado a medicação e estiver tomando os medicamentos por menos de 4 semanas (pois ainda haverá anticorpos suficientes para serem detectados). Se um cliente estiver tomando qualquer um desses medicamentos e ainda quiser prosseguir com o teste, a seguinte diferença nos resultados pode ser esperada.

• Medicação por menos de 1 mês: Nenhuma diferença nos resultados.

• Medicação durante 1-2 meses: Isto pode dar uma menor intensidade de reação e, portanto, os resultados devem ser interpretados como uma leitura ligeiramente superior no Foodprint (U / ml) ou um azul um pouco mais escuro no Food Detective do que é realmente relatado ou mostrado.

• Medicação por 2-3 meses: As concentrações de FoodPrint (U / ml) devem ser multiplicadas por 2; e os resultados do Detective de Alimentos devem ser interpretados como um azul mais escuro do que é realmente mostrado.   

• A medicação está em vigor por mais de 3 meses: é improvável que os resultados sejam obtidos tanto para o FoodPrint quanto para o Food Detective, portanto, os testes não são recomendados. * É extremamente importante que os pacientes não recebam medicação sem supervisão médica. Mudança não gerenciada na dosagem da droga pode resultar em consequências adversas extremas. Esteróides (ou corticóides), em particular, não devem ser interrompidos sem o aconselhamento de um médico, pois eles precisam ser reduzidos a uma taxa controlada.

 

Uso de medicação ao usar teste de Hipersensibildiade Alimentar Mediada por IgG 1,2,3 e 4.

Drogas anti-histamínicas O uso de drogas anti-histamínicas (por exemplo, Claritin, Zyrtec, Benadryl) não afetará o teste de anticorpos IgG, pois esses testes medem a resposta imune e não os níveis de histamina. Por conseguinte, estes testes podem ser realizados enquanto estiver a tomar medicação anti-histamínica.

Varfarina Se um cliente estiver em uso de varfarina, isso não deve afetar os resultados, mas como é um anticoagulante, pode afetar a coleta da amostra de sangue e, posteriormente, promover o sangramento. Se não tiver certeza, peça ao cliente para verificar com seu médico ou farmacêutico, tendo em mente que é apenas uma única amostra de sangue picada com um dedo, usando uma lanceta similar àquelas usadas por diabéticos para leituras de glicose no sangue.

Antibióticos Não há evidências de que os antibióticos afetem as células B ou T e, portanto, nenhuma evidência de que os níveis de anticorpos IgG sejam afetados.

Drogas imunossupressoras O teste de anticorpos IgG não é útil para pessoas em uso de drogas imunossupressoras (especialmente se elas estiverem em uso há mais de 1 mês – veja abaixo). Esses medicamentos podem afetar os resultados e, portanto, não podemos garantir precisão. Isso inclui todos os corticosteróides, como prednisolona, ​​budesonida e dexametasona; além de outros imunossupressores como Azatioprina e Ciclosporina. (Até onde sabemos, os resultados não são afetados por inaladores para asma). Recomenda-se que a amostra de sangue para um teste de anticorpos IgG não seja administrado até que o paciente esteja sem drogas imunossupressoras por 4-6 semanas *. Por outro lado, o teste pode ser feito se o cliente apenas tiver iniciado a medicação e estiver tomando os medicamentos por menos de 4 semanas (pois ainda haverá anticorpos suficientes para serem detectados). Se um cliente estiver tomando qualquer um desses medicamentos e ainda quiser prosseguir com o teste, a seguinte diferença nos resultados pode ser esperada.

• Medicação por menos de 1 mês: Nenhuma diferença nos resultados.

• Medicação durante 1-2 meses: Isto pode dar uma menor intensidade de reação e, portanto, os resultados devem ser interpretados como uma leitura ligeiramente superior no Foodprint (U / ml) ou um azul um pouco mais escuro no Food Detective do que é realmente relatado ou mostrado.

• Medicação por 2-3 meses: As concentrações de FoodPrint (U / ml) devem ser multiplicadas por 2; e os resultados do Detective de Alimentos devem ser interpretados como um azul mais escuro do que é realmente mostrado.   

• A medicação está em vigor por mais de 3 meses: é improvável que os resultados sejam obtidos tanto para o FoodPrint quanto para o Food Detective, portanto, os testes não são recomendados. * É extremamente importante que os pacientes não recebam medicação sem supervisão médica. Mudança não gerenciada na dosagem da droga pode resultar em consequências adversas extremas. Esteróides (ou corticóides), em particular, não devem ser interrompidos sem o aconselhamento de um médico, pois eles precisam ser reduzidos a uma taxa controlada.

 

© 2019 Lemos Laboratórios. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por CriaTec